Empresas Multinacionais E Seus Efeitos A respeito Os Países Menos Montados

por

Empresas Multinacionais E Seus Efeitos A respeito Os Países Menos Montados

A instituição de ensino de Veracruz. O presente artigo apresenta-se a compreender a dinâmica de negociação entre uma empresa multinacional e o governo de um país menos construído, assim como os seus efeitos no povo de acolhimento. Palavras chave: investimento estrangeiro direto, negociação, globalização econômica, os países menos fabricados, enfoques teóricos.

Classificação JEL: F23, F51, F02, O10, B49. The aim of this paper is to identify the bargaining dynamics between a multinational firm and the government of less developed country, and the effects of this firm in the country. Key words: foreign direct investment, bargaining strategies, economic globalization, less developed countries, teórica aproximações.

  • Prontamente deram algum susto. Se riu de vários
  • 13:02 deportivista – >o QUE você Encontra DE DAVID FERNANDEZ O PORTUGUÊS DO CELTIC
  • Carnaval de Huanchaco
  • Estádio de beisebol Marcial González
  • cinco Caracas, Venezuela
  • 2 Calibração de instrumentos de medição 2.1 Parâmetros a crer em toda a calibração

JEL Classification: F23, F51, F02, O10, B49. PMD têm visto que há certas vantagens para entusiasmar o avanço econômico, no momento em que se instalam as EMN em seu território. O propósito deste artigo é notar propriamente essa prática de negociação, tal como os seus efeitos nos países menos fabricados.

O trabalho foi dividido em 4 seções. Pela primeira faz-se uma aproximação ao conceito de EMN. Na segunda, são abordadas as principais teorias dessas empresas, a fim de compreender as diferentes interpretações sobre o fenômeno. Na terceira aprofunda-se sobre os efeitos das multinacionais nos países menos montados. A quarta seção esquematiza as estratégias de negociação dos países menos construídos, em frente às EMN. Enfim, com as informações lançados pela pesquisa, serão feitas muitas conclusões gerais.

O atual recurso de globalização econômica não se conhece sem a abertura comercial, as inovações tecnológicas e, sobretudo, sem a liberalização das regulamentações nacionais a respeito do investimento estrangeiro que se tem feito nos últimos anos. As corporações multinacionais têm sido conceptualizadas de maneira distinto; alguns autores se referem a eles como corporações globais, internacionais ou transnacionais (ETN).

contudo, a tua presença e efeitos sobre as economias nacionais são também ponto de partida de opiniões, como, tendo como exemplo, que as EMN empobrecem o país receptor e exploram os trabalhadores nacionais. Essas situações, analisaremos mais adiante. Historicamente, a atividade da EMN no sector primário tem sido importante para o desenvolvimento do estado.

O avanço econômico durante os séculos XV ao XX, obrigou as organizações a procurar recursos naturais em outros continentes, especialmente nos países menos fabricados, sendo o petróleo, alumínio e cobre, entre outros, os principais recursos explorados. Não é por sorte que as EMN tenham sido criticadas por setores extrativos dos países de acolhimento como organizações altamente exploradoras. Em relação às obras ou setor secundário, este vem sendo, tradicionalmente, o mais primordial da actividade das EMN.

O acrescento das obras, principalmente no século XX, aumentou a relevância de os países criados (PD), como receptores de IED, visando grande fração dela para esses países. A localização da actividade industrial não vem sendo tão limitada geograficamente como a extrativa. No momento de resolver onde se vai achar uma subsidiária da EMN, ela pode escolher entre diferentes destinos.

No caso do setor de serviços, as EMN desempenham um papel interessante para a tua propagação pelo mundo; por um lado, os bancos, seguros e outros serviços financeiros e, por outro, o turismo. Ao semelhante que o setor manufatureiro, as multinacionais desse setor, geralmente são instalados preferencialmente em PD e em um número seleto de países menos construídos, o que complica de novo a integração destes às redes globais. Esse sector tem estado estreitamente ligado ao sector secundário, visto que a mobilização internacional da indústria de serviços, normalmente, segue a indústria transformadora.

A organização multinacional é um fenômeno complexo a começar por um ponto de vista conceptual, que vem sendo analisado a partir de diferentes probabilidades. Isso tem produzido uma vasta literatura a respeito do cenário, que sem dúvida enriquece o debate científico. por que a tua geração em diferentes posições se realiza por meio da mesma organização e não por corporações separadas? A primeira pergunta diz-se à suposição da localização, durante o tempo que que a segunda faz fonte à teoria da internalização.

Sobre o Autor

administrator